sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Comendo Coisas Estranhas


E se você sentisse vontade de comer areia? Que tal cola? Ou ainda um desejo irresistível de comer plástico ou fezes humanas? Sentir desejo algum desses desejos e realizá-los é um transtorno bem incomum, chamado PICA ou alotriofagia, que é o consumo de substâncias inorgânicas (na esmagadora maioria dos casos) ou algumas substâncias orgânicas cruas. 

Você deve estar se perguntando como isso acontece ou o que leva alguém a exercer esse comportamento. Primeiramente, antes de diagnosticar alguém com PICA devemos atentar para a fase do desenvolvimento no qual aquele individuo se encontra. Não é incomum ver crianças pequenas pegando o que veem pela frente e colocando na boca (embora nem sempre haja deglutição). Fatores culturais também entram na identificação de diagnósticos, embora eu não saiba citar aqui que tipo de cultura específica pratica determinada fagia. 

Exemplos de algumas:

Acufagia - ingerir objetos pontiagudos
Amilofagia - comer amido (i.e. de milho ou mandioca)
Auto-canibalismo - comer partes do corpo (raridade)
Cautopireiofagia - ingerir palitos de fósforo apagados
Coniofagia - comer pó
Coprofagia - comer excremento
Emetofagia - comer vômito
Geomelofagia - comer (freqüentemente) batatas cruas
Geofagia - ingerir terra ou solo
Ctonofagia - ingerir terra ou argila (arcaísmo)
Hematofagia - comer sangue
Hialofagia -ingerir vidro
Lithofagia - comer pedras
Mucofagia - ingerir muco
Pagofagia - comer (patologicamente) gelo
Trichofagia - comer cabelo ou lã (fios ou tecido)
Urofagia - ingerir urina
Xilofagia - comer madeira


Geralmente o indivíduo percebe esse ato como estranho, socialmente reprovável, há culpa e sofrimento envolvido. Em alguns casos isso não ocorre, para o indivíduo é normal comer fezes ou cabelo, por exemplo, sem se incomodar com o que os outros vão pensar daquele ato. É certo que é importante investigar um possível retardo mental nos casos de PICA. Sendo descartado o retardo, vamos para outro critério diagnóstico que é o tempo em que a pessoa vem praticando o ato de comer algo inorgânico. Quanto mais tempo, mais certo é o diagnóstico e mais breve essa pessoa deve procurar um Psiquiatra e um Psicólogo para realizar o tratamento, uma vez que dependendo do que ela ingere pode causar diversas complicações. 

A ingestão de cabelos, tricotilofagia, resulta muitas vezes em cirurgia, uma vez que o estômago não digere a queratina presente nos fios de cabelo, ficando uma bola de cabelo no estômago do paciente que só pode ser retirada cirurgicamente (lembrando que tricotilogafia é um transtorno do espectro obcessivo compulsivo). A pessoa que pratica geofagia, ato de ingerir areia, barro, está sujeita a contaminação por vírus, bactérias e parasitas (verminoses, disenterias, cólera, por exemplo e até mesmo tétano). Comer fezes e beber urina fazem parte de alguns fetiches bizarrros, mas estão inclusos aí também, pois como foi relatado o comportamento pode estar trazendo um desconforto imenso para a pessoa que sente culpa em realizar aquele desejo bizarro. 

Então dependendo do que é ingerido a pessoa terá complicações diferentes. Resolvi escrever sobre esse tema, pois recentemente atendi uma gestante que há um mês estava se alimentando das paredes de casa. Ela relatou que almoçava normalmente a comida que havia cozinhado e após terminar ingeria partes da parede de sua casa sem adição de água.

Para finalizar, não expliquei a origem do termo desse transtorno, que leva as pessoas a fazerem piadinhas, principalmente nas aulas de Psicologia. PICA vem do latim pega, que é um pássaro do hemisfério do norte que come tudo que vê pela frente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário